E pensar que esse blog nasceu pra falar de política. Outras coisas também, é verdade. Qualquer coisa, na verdade. Lá dos primórdios dos primeiros posts, em 2006, já trazia esse sentimento de Ferro e Fogo, acerca da política brasileira. As vezes me seguro, me policio. Porque quero ser educado e tal. Mas a vontade é sair dizendo um monte de bobagem, e insulflando todo mundo, e dizendo que temos que ir pra frente da nossa casa Rosada quebrar tudo, como nossos hermanos fazem. E a França. E os americanos. E todo e qualquer povo com sangue. Mas aí lembro de toda a nossa história, dos espelhos que valiam ouro, do povo, aquele lá, que hoje morre a míngua, que nos explorou até quando pode.

E essa história toda faz sentido, porque fomos criados para sermos explorados, é uma coisa que está na mente. Quando a delegação americana entrou no estádio Olímpico de Londres, foi ovacionada. Porque era o povo mãe recebendo com orgulho o filho pródigo. Os EUA nasceram para ser um país. O Brasil, nasceu para ser uma mina de riquezas naturais, para ser explorado e largado a própria sorte. Aí que essa cultura está aí. Não nos larga, não no solta. Todos só querem explorar e cair fora. Até nós mesmos. Hoje em dia, principalmente nós mesmos.

Aí escuto sobre o exemplo dos educados povos lá de fora, de como respeitam as leis, e cumprem a ordem, e tudo funciona. É nada. Todo ser humano é igual. Apenas alguns são treinados, e outros não. Não aprontam lá fora porque são controlados. Filmados. Punidos até o último fio de cabelo. Quem sai da linha dança, e dança lindamente. Vai pra cadeia, ou coisa pior. O rigor é que educa. Quem sabe que vai pagar o pato, não sai de gaiato. Impunidade sempre foi o problema. Sempre será. Porque nossa lei é uma piada, e a gente não sabe ser gente. A gente se amontoa por aí, se vira como pode, e como diz o repórter da Forbes, sai achando que é status ter um carro que é popular lá fora. E esse é o topo da cadeia alimentar no Brasil. Porque a gente deixa tudo passar. Na cueca, na meia, o ouro vai embora como sempre foi. De monte. E o povo fica como sempre ficou. A ver navios.

Post sem pé nem cabeça. Só deu vontade de falar de política, porque tem essa turma toda aí, lidando com o Mensalão e tal, uns envergonhando a gente mais ainda, outros até que tentando fazer bonito e tal. Mas a gente sabe que no final, a mensalidade quem paga somos todos nós. E pior ainda: A gente sabe que a gente não vai fazer nada. Porque fomos criados para isso, "educados" para isso. Para permitir isso. Daí, é a nossa cultura organizacional. E essa, a gente sabe, é a mais difícil de mudar...

E no fim, a gente fica aqui com a gente mesmo, pagando mensalidade pra viver nessa zona. A nossa zona, cara zona. Pobre zona. Sem ordem, e com o mínimo de progresso.

Imagens: Peguei por ai, e caí fora.