No meio, e no fim.

Esse ano, 2010 está assim. Chegando ao meio, mas também no final. Sim, só estamos em junho (só?), metade do ano, então que história é essa de final? Porque esse é um ano de movimento, é ano de torcer, e de se retorcer. É de torcer pelo futebol, pela amarelinha, é ano de gritar gol, de xingar o juiz, de secar argentinos e franceses, de não acreditar na Itália chegando, depois da vexatória primeira fase. É ano de olhar temeroso para o time sério da Alemanha, para a burocrática seleção inglesa, é ano de observar os africanos em campo. É ano de tentar adivinhar quem será a grande zebra, quem será o grande fracasso, é ano de olhar torto para o Dunga, é ano de  opinar, de desconfiar, mas sobretudo de torcer. Esse ano tem Copa. E Copa, no Brasil, muda tudo. Em dia de jogo, o país pára. Ninguém pensa em mais nada, nem antes, nem depois. E no dia seguinte tem os comentários, as rodinhas, o buteco da Copa. Afinal, o Brasil é o país da Copa, o país do futebol! E pela Copa, entregamos 1 mês do nosso ano, pelo menos. Se já foram 5 até agora, mais a Copa, já são menos de 6 pela frente. Pobre 2010.

E aí, quando acabar a Copa, tristes ou felizes, temos mais um período fora do normal. É tempo de votar. Ah, o tal do voto! Aquela coisa que é obrigatória, que nem sabemos o que fazer com ela, que vamos lá e clicamos em uma foto qualquer. Ah o voto, o tão famoso voto, a atividade que dizem que o Brasil não sabe dominar. O tal do voto também toma mais de 1 mês, entre propagandas, congelamento da máquina pública, plenários, leis, tudo pára. Estados, poder executivo, legislativo, todos estão focados em conseguir votos, enquanto a população está preocupada em escapar dos votos. Votar é obrigatório, e tudo o que é obrigatório, né? Ainda mais aqui, né? Então lá foi mais de mês do ano, e aí para 2010 só nos restam alguns poucos meses produtivos, poucos meses para pagar imposto, porque né? Então é um ano de torcer e retorcer. Torcer pela seleção, torcer o bico para todo esse povo aí, esses tais de representantes da população, esses aí... É ano de se retorcer quando a canarinho leva um gol, quando aquele político, aquele mesmo, se reelege, e ninguém entende porque, aquele que levou a grana na cueca, na meia, na peruca, aquele bastardo que papou sua futura aposentadoria, aquele que te obriga a pagar Unimed, aquele bundão lá, é, aquele. Mas pelo menos tem o Dunga, a família Dunga, a nova era Dunga, os amarelos, os que são a esperança desse povo. Ah seu Dunga, esse é ano de Copa, mas também é ano de eleição. E já que temos que aturar os políticos, pelo menos que seja em clima de festa, porque eleger mais corja, já de ressaca por uma derrota na Copa, aí não... Porque depois disso, 2010 já está no fim...