(Imagem retirada do site Dentuço Pilantra)
O futebol é passional. Ponto.

E o futebol é passional porque as torcidas são passionais. Passionais e cruéis, mas também são passionais e justas. A novela mexicana da negociação do retorno de Ronaldinho Gaúcho ao Brasil parece estar, finalmente, definida. Ronaldinho Gaúcho assinou com o Flamengo.

Nestes últimos dias, os irmãos Assis e Ronaldinho enfrentam a fúria da torcida do Grêmio, o descontentamento dos dirigentes palmeirenses, e a indignação de boa parte das torcidas de futebol e de clubes do Brasil. Segundo dirigentes dos clubes envolvidos, os acordos foram fechados e "desfechados", o que provocou a ira de muitos Brasil afora.

Uma década atrás, quando Ronaldinho estourou para o mundo como um grande craque, a sua saída do time que o formou, foi, segundo informações de domínio público que desde a época marcaram o fato, um episódio marcado pelo trauma e pelo jogo escondido. Lamentavelmente, para todo o futebol brasileiro, quando um bom jogador começa a mostrar serviço, a europa vem e simplesmente o leva embora. Não há tempo, atualmente, de os craques conquistarem um título ou dois para os clubes que os formaram, quanto mais de fazer carreira nos mesmos. Os clubes ricos de fora compram e levam embora os talentos, essa é a dura realidade para o futebol brasileiro. Naquele tempo não era diferente, mas Assis e Ronaldinho acharam ainda outro atalho: Encontraram uma brecha deixada pela recém criada Lei Pelé, e saíram pelas portas dos fundos do Olímpico, deixando a direção que  formou e patrocinou o jovem talento desde sempre a ver navios, franceses. Quem ganhou com isso? Os irmãos e o Paris Saint-Germain, que em seguida repassou o atleta ganhando uma fotuna com isso. Para o clube que o criou e patrocinou, restaram comissões nas transferências, conquistadas em juízo. Assim reza a lenda, que a Artigolândia apenas reproduz aqui.

Foto: Tatiana Lopes

Neste novo episódio, a construção do retorno de Ronaldinho ao futebol brasileiro começou com o Palmeiras, e teve lá no Palestra Itália a confirmação de aceite da proposta do Palmeiras, conforme dito em entrevista pelos dirigentes do clube. Os irmãos não teriam cumprido o acordo, fato também apontado na imprensa pelos dirigentes alvi-verdes. Acordo verbal esse,  fechado também com o Grêmio, onde Assis dava a garantia de negócio fechado, mas sempre voltava atrás, a cada novo lance em seu leilão privado a quem fosse interessar.

Em um belo sábado então, o Grêmio se dando conta que a palavra dos irmãos não seria cumprida, e os novos valores pedidos não seriam alcançados pelo clube, se retira do leilão das negociações, logo seguido pelo Palmeiras no domingo. Neste mesmo sábado, lia-se na mídia a notícia de que o presidente do Corinthians mostrava, sem medo de ser feliz, mensagens em que Assis o provocava para entrar no leilão, e quem sabe subir mais alguns milhões nas negocições "já fechadas" com Grêmio, Flamengo, e sabe-se lá com quem mais, que Assis tenha chamado para o bingo do irmãozinho famoso. É importante deixar claro que, devido ao probleminha já tido com Ronaldinho no passado, boa parte da torcida gremista já não via com bons olhos o retorno do ex-craque, que era sim um grande golpe de MKT. Mas que não devia ser muito mais do que isso.

Além das confusões de contrato, ainda há mais por trás da história, como a questão da convivência com a torcida da terra natal. Com muitos negócios e a vida instalada em Porto Alegre, Assis enviou a seguinte mensagem a possíveis ações de torcedores inflamados: "Nós temos nossa estrutura de segurança, sempre tivemos, estamos bem protegidos. Ninguém gosta de colocar a própria vida em risco, não é mesmo? Quem é que vai querer nos atacar e arriscar sua vida?" Difícil imaginar o tom da declaração?

Neste momento, praticamente só flamenguistas comemoram com Ronaldinho, ignorando a informação dada por dirigente do Palmeiras de que Assis não queria Ronaldinho no Flamengo, por alguns motivos, entre eles a noite e aquela badalação toda que o ex-craque tanto gosta. Agora, só se pode desejar boa sorte ao Flamengo, até porque, mesmo após esse desfecho todo, representantes do Ronaldinho procuraram mais uma vez o Grêmio, encontrando obviamente portas fechadas...

É o fim da novela. Ou apenas mais um capítulo?

Créditos de Imagem: Dentuço Pilantra Informações Gerais: Click RBS Divirta-se também com #assisfacts O caso todo Mensagem do Assis: David Coimbra