Segue a canarinho.

Jogando melhor, bem melhor do que nos últimos jogos, o Brasil venceu bem e ao natural o time chileno, já bem freguês dos tempos de técnico do Capitão Dunga e sua trupe. Fez o dever de casa com louvor o Brasil, 3x0, sem jogo tenso, sem lesões, apenas com um pendurado pelos cartões, e chega inteiro para a difícil decisão contra a Holanda. A laranja, como já falei em outros posts da Copa, é uma seleção que só perde para quem vai ser campeão, ou no mínimo vai para a final. É time de camisa, de técnica, de jogo bonito, ao qual só falta mesmo o título. E merece. Mas, como dessa vez eles cruzam conosco, vamos guardar esse mérito na gaveta, e esperar mais alguns anos...

Mas eu lanço agora um pouco de areia na nossa recente alegria. Apesar de jogar bem, é preciso ficar alerta para um pequeno detalhe político: A próxima Copa, é por aqui. O Brasil é sempre favorito, sempre que é eliminado, é quase uma surpresa, um acidente, ou pela França. Em 2014, jogaremos em casa, o que quer dizer que seremos praticamente imbatíveis, e o que quer dizer que se ganharmos na África, ficaremos com a prateleira tão cheia de taças que qualquer outra seleção levará uns 20 anos para chegar perto, se tiver sorte. Esses são ingredientes perigosos, muito perigosos no mundo da política. Sem teorias da conspiração, a política move o mundo, e o futebol, e a FIFA, e a CBF, e tudo mais do mundo da bola faz parte do mundo, portanto, tudo isso também é movido pela política. Os grandes, habitualmente os únicos capazes de ganhar do Brasil tem tido um pequeno empurrão dos senhores juízes, talvez por acaso, talvez não. Japão, Uruguai, Gana, Paraguai, Espanha, Portugal, são bons times, mas nenhum deles tira a taça do Brasil em uma final, porque final pesa, e pesa muito. Alemanha tira. Argentina também. Holanda, talvez. Se o Brasil chegar, teremos um gigante pela frente, pode esperar...

Mais uma vez a laranja chega, e mais uma vez ficará a mercê de um dos gigantes, e assim deve buscar reverter a injustiça de nunca ter sido campeã. Não fosse esse cruzamento, torceria por uma final Brasil e Holanda. Não fosse o Brasil estar na copa, seria a Holanda a seleção que no meu julgamento estaria merecendo a taça da vez. Mas a Holanda nem passou assim tão fácil pela Eslováquia, nem está com um time tão bom quanto já teve em outras Copas. Claro, ainda assim é a Holanda, de jogo bonito, jogo jogado e competitivo, que vende caro uma vitória. Não é time de brincar. Não é Chile, nem Coréia, nem Costa do Marfim. Se outros nos fizeram o favor de tirar Itália e nossa toca França do caminho, nos deixaram a perigosa laranja. Enquanto nas linhas paralelas Japão, Portugal, Espanha, Paraguai, Gana e Uruguai devem esquentar banco, em teoria, porque essa Copa.. A Argentina e a Alemanha tem tarefa bem mais hercúlea antes de chegar a final. Nós temos a laranja. E talvez, a política.

Imagens: Portal Terra