Na era Dunga, que já deu seu toque pessoal em três copas, a seleção não dá show. Mas é eficiente. Esse modelo, que também é o de Felipão, sempre é questionado, porque o time não joga para a torcida, joga para ser campeão. Hoje não foi diferente, apesar do gol com chapéu do Luis Fabiano, chapéu colocado com o braço, diga-se de passagem. O Brasil venceu, e convenceu. Mas apanhou. E apanhou feio da Costa dos Bandidos Marfim. Os africanos jogaram feio, jogaram mal, e quando perceberam que o jogo estava perdido, bateram como se estivessem numa pelada. Bateram para lesionar, bateram e fizeram onda para tirar jogadores da Copa. Jogo sujo, jogo baixo, de um timeco que não merece estar em uma Copa do Mundo. Espero, realmente, que a Costa dos Bandidos Marfim, fique fora da segunda fase, pelo bem da Copa. E o juiz, bem, ele é francês. E a sina do Brasil em Copas tem sido a França. Mas já que a seleção francesa virou time de moleques, que brigam no vestiário, quase se atracam em avião e fazem greve em treinos, não pode eliminar o Brasil, os juízes franceses assumiram a tarefa. Apesar disso Dunga segue, e o Brasil, junto com a Holanda, passou adiante. É laranja e amarelo na segunda fase.

Depois da Alemanha, hoje foi a vez da Itália tropeçar. É mais um dos gigantes enroscando a bota, em uma Copa que segue muito aberta com qualquer time complicando qualquer favorito. Dessa vez foi a Nova Zelândia que resistiu a pressão italiano no fim do jogo, e deixou a Azzurra como ela gosta: Classificando com choro, suor, e lágrimas. É assim mesmo que a Itália é perigosa. É com essa Itália que todos devem se preocupar, a quem vem chegando, cheia de dificuldades, cheia de sofrimento. Essa, é a Azzurra perigosa. Nesse mesmo grupo, o Paraguai que segue a instrução dos times da América latina manda bem para cima da boa Eslováquia, e encaminha bem a possível classificação.

Enquanto isso, lá no grupo da Alemanha, Gana e Austrália produzem mais um empate. Essa é a Copa dos empates, e também das indefinições. É mais um grupo em que fica tudo para a última rodada. Gana vai ter que encarar a pressionada Alemanha, enquanto a Sérvia tem a chance de despachar a Austrália e deixar mais um africano de fora da festa na própria casa. E a Austrália, quem diria, depois de levar quatro da Alemanha resolveu mostrar que não veio aqui para ser saco de pancadas, apesar de não ter muitas chances de permanecer no certame.

Lá no grupo E, a Dinamarca vence o jogo que Camarões também poderia ter vencido. Poderia, mas perdeu. Perdeu o jogo e foi o primeiro time a se despedir da Copa do Mundo 2010. Perde oficialmente o primeiro representante a África, que não vem bem com nenhuma das suas seleções, e existe uma chance cada vez maior do continente dono da casa ficar sem representante algum já na segunda fase.

E o Grupo E também é o da Holanda, sempre um das minhas seleções favoritas, time que sempre torço com muito carinho. E a Holanda não me decepcionou, como em quase todas as copas, onde realmente só falta vencer, porque belas participações são frequentes. Pelo magro 1x0, a Holanda passa pelo Japão e se classifica para a segunda fase, mesmo sem jogar aquele futebol que a crítica esperava dela. Mas nessa Copa onde quase todo mundo tropeçou, onde apenas Brasil e Argentina seguem sem pedras no sapato, a Holanda entra nesse seleto grupo e garante duas vitórias e a sequência no mundial. Segue a laranja, e eu sigo com minha simpatia com a laranja.

Só para não perder o hábito nessa Copa, a zebra assusta a girafa e entra em campo mais uma vez. A seleção da rainha se enroscou com a fraca Argélia e ficou em terceiro lugar no grupo, e precisa vencer a Eslovênia em briga direta pela vaga. A mesma Eslovênia que se apertou contra o Tia Sam, e mesmo depois de estar vencendo de por dois gols de diferença, só não levou a virada porque o juizão ajudou, anulando um gol legal dos americanos. Definitivamente os estados Unidos não confundem mais futebol com jogo de botões. Estão espertos e complicando a vida de quem estiver pela frente. Salve a Rainha! Salve a América!

E para completar a rodada, não necessariamente na ordem, a zebra não só entrou em campo na sexta-feira, como entrou, deitou e dormiu no meio do gramado alemão. A poderosa Alemanha, favorita, que chegou goleando, assustando e se colocando desde cedo pertinho da taça, levou um banho de água fria da Sérvia, perdeu de um zero com direito a pênalti desperdiçado em jogo de pouca criatividade. Dizem por aí que a Alemanha não é tudo isso, que só caiu na real. Mas time grande é time grande, e enquanto estiver no páreo, é sim favorito. Ou Gana pode mesmo cometer o crime na última rodada?

Imagens: Portal Terra