Já faz algum tempo que eu compro um pacote de críticas. Sim. Tem compras que fizemos que traz, invariavelmente um pacote de "mas porque? Está maluco? Porque isso?" Um desses pacotes, que eu compro volta e meia é o BBB. Não acompanhei todos. Devo ter visto de fato, umas 4 edições. Incluindo a 9, onde acompanhei bastante. E agora acompanho a 10, e seu pacote de críticas.

Na 9, o que me prendeu foi o balanço do barco. Se considerarmos uma casa isolada com um grupo de pessoas como uma ilha, ela fica interessante em algumas edições. Depois, se tornou repetitiva e chata. Jogar, não jogar... Os "brothers"foram entendendo o jogo. Então a Globo, com seu diretor que é várias coisas, mas não bobo, passou a casa para um barco. Mudou a ilha isolada, mas estática, par um barco. E barcos são sujeitos a ondas e balanços das marés. Porque digo isso? Simples. Uma ilha está parada, e sujeita ao comportamento apenas das pessoas que lá estão. E assim foram várias edições do BBB, e por isso algumas delas foram ficando chatas e mornas. Então o Boninho passou a ilha BBB para barco um barco, porque assim ele pode agitar tudo. Se está tranquilo, a produção vai lá e balança. Sacode, provoca, priva de sono, cria conflitos, planta sementes de discórdia, e assim torna a ficar interessante como no início onde a fórmula era novidade.

Nos primeiros BBBs, "jogar" era feio. Massumi derrubou isso, em uma das edições que assisti e gostei. Agora a moda é jogar bonito, desde que com "lealdade." Sei. No BBB 9, Boninho dividiu a casa em 2, deu certo, parcialmente. Um lado, o B, de BBB, entendeu o jogo e seu uniu. Dizimou o lado dos panacas do A, que se engalfinhavam entre eles. No 10, Boninho foi ainda mais adiante, e dividiu a casa em 5 tribos. Bem distintas, que são: Sarados, Belos, Coloridos (GLS), Cabeças (sei) e Ligados (são os que não entraram em nenhuma outra). Mas como no 9, nem todos entenderam que o grupo precisa se proteger para sobreviver, e as tribos não se mantiveram unidas. Porque foram pré-escolhidas. Não se uniram por afinidade, foram unidas por serem mais características de uma tribo específica. Salvo os coloridos, que fazem isso sem anunciar., os outros grupos não se unirem, como o lado B. O interessante é que as tribos deveriam funcionar, mas não funcionaram. As pessoas simplesmente não fecham com quem deveriam fechar, e é isso que torna esse circo interessante. As tribos não funcionaram.

Mais interessante ainda, é o grupo (extremamente fraco, perto de outras edições) não reconhecer o óbvio, e ainda jogar errado. O jogo é sobre tribos conviverem, e eles não conseguem. Simplesmente elegeram um deles (Dourado, ex-BBB, lutador bruto sem polimento) e caçam ele sem trégua, além de lecionar infinitas aulas de como ele deveria ser., como ele deveria se portar e tudo mais. Observem, no BBB sobre convivência em tribo, os caras querem ensinar como alguém deve ser. É a mais monstruosa das contradições. Aí alguém diz lá: Sim, esperava o que do BBB. Pois é. Realmente, esperava mais. Mas afinal, espera-se muito do povo brasileiro, e as coisas não saem como deveriam. O BBB é sim um mini observatório do Brasil. Muitas tribos, pseudo respeito, total intolerância, e muita, mas muita mesma hipocrisia. E adivinhem quem são os mais preconceituosos? Há! Justamente quem passou a vida lutando contra o pré-conceito! Os coloridos!

Tribos? Aham, desde que longe uma de outra...