Browsing Posts in Nós da Terra

Um sopro…

6 comments


Apenas um sopro. E o velho mundo não consegue mais voar.

No nosso planeta, a vida é assim. Acontece, quando ele permite. Se ele não permite, não existimos. Toda nossa maravilhosa tecnologia é uma falsa segurança. É uma falsa impressão que o planeta é nosso, e dele fazemos o que bem entendermos. Não. Não é. Nós é que pertencemos ao planeta, e ele é quem diz o que pode e o que não pode. Nossa tecnologia hoje permite quase tudo. Nossa expectativa de vida aumenta cada vez mais, nós podemos chegar a qualquer cantinho do planeta rapidamente, nos comunicamos e sabemos de tudo instantâneamente. Tudo isso nós podemos. Desde que, claro, a Terra assim permita.

A nossa tecnologia toda funciona perfeitamente bem em condições normais de temperatura e pressão. A energia nos permite morar onde quisermos, temos luz, temos água, podemos armazenar comida e falar com quem quisermos, em qualquer tempo em qualquer lugar. Também podemos ir e vir rapidamente de qualquer ponto do planeta Em condições normais de temperatura e pressão.

Um vulcão em erupção é uma das mais impressionantes manifestações de força da natureza. É impactante, bela e incontrolável. É um sopro quente que nos faz correr o mais longe possível, nos impede de voar, e ainda define a que distância precisamos ficar da irada montanha. Apenas um sopro, na Islândia, e quase toda a europa perde sua mobilidade, deixa de voar. A nossa tecnologia não tem vez contra a força da natureza, nas suas diversas manifestações. Um vulcão em erupção é uma manifestação natural, talvez uma manutenção, uma resultante do “modos” do planeta existir. Podemos de alguma forma ter colaborado com isso? Talvez algum teste nuclear esquentando o que não deveria? Talvez. Mas com ou sem nossa participação vulcões sempre existiram e sempre irão existir. E da mesma forma outras manifestações da natureza sempre irão existir, independente da nossa existência ou não.

Mas o que impressiona mesmo, é a força e consequência de uma manifestação como essa. Quanto mais tecnologia temos, mais somos afetados, porque cada dia mais somos mais interligados e inter dependentes. Um acontecimento de grande monta reflete e repercute em todos os lugares, e atinge muito mais pessoas do que antigamente. Nesse caso, toda nossa tecnologia joga até contra, porque amplia o grau com que os eventos nos afetam. Com tecnologia ou sem tecnologia, com culpa ou sem culpa, a força da natureza é superior a tudo que conhecemos e pudemos criar até hoje. Essa força nos lembra, volta e meia, que nós é que pertencemos ao planeta. E não que ele nos pertence…

Imagens: Portal Terra.

E o Rio chora…

20 comments

Mais uma vez, assistimos ao festival de horror de uma enchente em uma cidade brasileira. Desta vez, a vítima foi o Rio. Mas poderia ter sido São Paulo, ou Santa Catarina, ou qualquer outro estado, e principalmente, qualquer grande cidade brasileira. Isso tem sido, e continuará sendo, motivo de tragédias cada vez maiores em nosso país. E porque? Bem, existem dois grandes motivos para o que está acontecendo, e o pior que ainda está por vir. O primeiro é o próprio clima, que está sim mudando e piorando, principalmente no que se refere a intensidades e situações extremas. A outra é a nossa falta de preparo para enfrentar tais situações, tanto no trabalho de base, a prevenção, quanto no trabalho de auxílio, pós evento.

O clima mudou, isso é fato inegável, e sem ser profeta do apocalipse. Mudou, está mais extremo, e será ainda mais já a curto prazo. Índices de chuvas de um mês inteiro precipitando em um dia, ventos cada vez mais forte, mudanças radicais em temperaturas, isso só para ficar no Brasil. Nem vamos abordar neste texto os tremores, tornados, tsunamis e tudo mais que tem assombrado o planeta em vários países.

Nas ocupações de risco como morros e regiões marginais e litorâneas, há de se ter prevenção e consciência do risco que se corre, e medidas de segurança devem ser tomadas. Com o clima como está, ter uma casa em um morro sujeito a deslizamentos é como morar ao lado de um vulcão. Pode não acontecer nada, mas também poderá acontecer, e essa consciência é necessária, e planos de emergência devem ser preparados e as pessoas treinadas.

Nas grandes cidades, planos diretores de utilização de superfície foram esquecidos. Hoje temos o solo impermeabilizado, a água não tem como escoar. E obras de canais, sim, eu sei, são as obras que via de regra patrocinam campanhas, porque são caríssimas. Mas essas obras são soluções posteriores ao problema já criado pelo excesso de superfície impermeabilizada. Quando você constrói sua casa, toda a água que seria absorvida pelo solo que antes era permeável, precisa escoar e ser absorvida em algum lugar, ou irá correr pelas ruas também impermeabilizadas arrastando tudo o que encontrar pela frente. Inclusive você, ou sua casa. Quem controla isso? O plano diretor da cidade. Ou deveria. Retiramos a condição natural da água escoar, agora, precisamos mostrar o caminho a ela, devolvendo superfície permeável, ou obrigando quem constrói a oferecer reservatórios compatíveis com a área impermeabilizada. Ou a água irá encontrar o caminho que lhe convier, e sem prestar atenção no que há pela frente.

Outro ponto é a preparação dos governos e agências para contornar um evento extremo já ocorrido. A defesa civil, precisará ser, e breve, uma secretaria forte, com dinheiro e pessoal para ser capaz de atender a essas demandas de grandes proporções. Talvez o exército precise estar acessível em determinadas situações. Especialistas, treinamentos. O que os governos ainda não entenderam, é que eventos como esses serão cotidianos, e alguns deles chegam a ser semelhantes a um pós-guerra, tal a natureza das devastações provocadas. É necessário profissionalismo no atendimento de fatores ambientais que são fatos irremediáveis a curto e talvez médio prazo.

Não adianta nada correr para todo lado sem saber o que atender primeiro. É preciso profissionalismo e consciência do que estamos enfrentando. É preciso planejar, treinar, disponibilizar recursos e pessoal. É preciso mais, muito mais do que temos feito. E é preciso que o trabalho de base, anterior a tragédia seja igualmente efetivo, eficiente, e cada vez mais cobrado pela população. Ou teremos carros anfíbios e casas flutuantes a venda no mercado, e logo.