Browsing Posts in Comportamento Humano

Um Novo Livro

701 comments

Claro que é um clichê. Claro que todo o ano, ele volta e volta, e dá mais duas voltas e volta de novo. Uma virada de página. Um novo livro, novas promessas, metas, proibições, e mudanças e tudo novo de novo. Ou nada disso, e só palavras. Palavras ao vento, como dizem os sábios orientais, lá do outro lado do planeta bola. Mas o que interesse é que todos se mobilizam, se declaram, se organizam, ou pelos menos tentam fazer isso. E essa tentativa por si só já é válida. Porque é uma espécie de botão da moda. Aquele botão, que toda essa nova geração nasce com, e que boa parte da a minha geração adotou um pequeno, e que as gerações anteriores dificilmente conheceram um. O restart.

A nova geração reinicia tudo com uma facilidade impressionante. Desde um estágio na empresa dos sonhos de toda a sua faculdade, até um namoro que até ontem era o amor da sua vida. Ontem. Não semana passada. A nova geração troca tudo mais rápido do que troca de roupa. Se for em noite de alguma festa pegada, com noite virada, troca realmente mais rápido do que troca de roupa. Mas, pro resto dos mortais, aqueles que não se sentem Super Heróis quase todo o tempo, para aqueles que não se sentem em condições de dobrar o tempo ou surfar em outras dimensões, é mais difícil de apertar o Restart com toda força. É mesmo. Para esses demais, o fim de ano é especial. Ele representa uma oportunidade quase única. A grande oportunidade do ano, de começar uma nova página, um novo volume, uma nova edição toda nova, com pouco ou nenhum compromisso com o passado. Ou com todo o compromisso. Aí, é cada um. Início de janeiro é assim. Diário novo. Linhas em branco. E cada um decide, se continua o que deixou lá no outro, ou passa e régua e vem com tudo novo. Bom início de ano gente boa. Um ano novo que vem diferente dos outros aqui na Artigolândia. Vem volume novo. Diferente dos outros inícios de ano… Pelo menos, no que se refere a passatempos, e letras e palavras, e artigos, e blá, blá, blá.

Essa é uma das questões. Exatamente essa, é uma das questões que mais anda me intrigando. Essa coisa aí, sabe, de ter que ficar fazendo pose, botando banca, parecer mais do que ser, policiar cada palavra, gesto, ou até a cor do sapato. Tudo pelo politicamente correto. Já escrevi sobre isso mais especificamente sobre o “twitter cop“, mas a questão é mesmo mais ampla. Essa modinha aí, de crítica generalizada e sem tolerância, de politicamente correto, varre o mundo em todas as direções e de todas as formas. Bom, não vale sair correndo pelado por aí, né, obviamente. Mas heim, policiamento ostensivo no modo viver? Aí Londres de repente acorda em chamas, a Noruega vira zona de guerra, estudante saí detonando escola e tudo pela frente e tchanam: A culpa é do vídeo game. Bom, sei lá de quem é a culpa. Nem o Seu Madruga sabe de quem é a culpa. O ponto é que esse mundo anda todo meio viradinho, eu acho. Engraçado que, justamente no momento em que a geração Y se prepara para assumir o poder em poucos anos, o mundo vem com essa onda aí, de “politicar” tudo no correto. Querem  o que? Trazer de volta o modelo soldadinho de chumbo, justamente na hora da geração Y? Aham. Essa eu quero ver.

O Pondé, um filósofo brasileiro, colocou algum tempo atrás um belo bode no meio da sala. Soltou um texto curto, irônico, e fez embaixadinhas com os crânios dos protótipos dos inteligentes em estágio avançado. Se chama “Jantar Inteligente“. Eu li. E vou transcrever ele logo abaixo, não porque gostei ou desgostei. Vou transcrever porque acho interessante as pessoas lerem. Sabe do que? Ler é bom. E nem importa o que. Tem que ler coisa boa, para saber do que é bom. E tem que ler coisa ruim, para poder saber que o bom é mesmo bom. Aí vem a melhor parte: Quem é que disse que é bom ou ruim? Ah, vai pra lá, rotulento. O que é bom pra um, pode não ser bom pra outro. E ainda bem né. Senão, já viu. Mundo todo rodando em mão única. Bem soldadinho de chumbo mesmo. Pra lua, quem sabe.

 

Você já foi a um jantar inteligente? Jantares inteligentes são frequentados por psicanalistas, artistas plásticos, músicos, atores, jornalistas, publicitários (com a condição de falar mal da publicidade), médicos (esses porque, como é sempre chique ser médico, não se dispensa médicos nunca), produtores, “videomakers”, antropólogos, sociólogos, historiadores, filósofos.
Administrador de empresa não pega bem (a menos que tenha um negócio sustentável). Engenheiros, coitados, só vão se forem casados com psicanalistas que traduzem pra eles esse mundo de gente inteligente. Advogados podem ir porque é sempre necessário um cínico inteligente em qualquer lugar. Pedagogas, só se casadas com esses advogados e por isso talvez consigam bancar amizades chiques assim.
Ricos são sempre bem-vindos apesar de gente inteligente fingir que não gosta de dinheiro. Pobre só se for na cozinha, mas são super bem tratados. Claro, tem que ter um amigo gay feliz.

Essa gente é descoladíssima. Seus filhos estudam em escolas de esquerda, claro, do tipo que discute o modelo cubano de economia a R$ 2 mil por mês.
Quando viajam ficam em lugares que reúne natureza “pura”, tradição (apenas como “tempero do ambiente”) e pouca gente (apesar de jurarem ser a favor da democracia para todos, só gostam de passar férias onde o “povo” não vai).
Detalhe: é essencial achar todo mundo “ridículo” porque isso faz você se sentir mais inteligente, claro.
Quanto à religião, católica nem pensar. Evangélicos, um horror. Espírita? Coisa de classe média baixa. Budista, cai muito bem. Judaica? Uma mãe judia deixa qualquer um chique de matar de inveja. Judaísmo não é religião, é grife.
Mas o que me encanta mesmo são as “atitudes” que se deve ter para se frequentar jantares inteligentes assim. Claro, não se aceita qualquer um num jantar no qual papo cabeça é o antepasto.
Quer saber a lista de preconceitos que pessoas inteligentes têm? Qualquer um desses “gestos” abaixo você pode ter, que pega bem com comida vietnamita ou peruana.
1) A Igreja Católica é um horror e o papa Bento 16 é atrasadíssimo. Claro que não vale ter lido de fato nada do que ele escreveu;
2) Matar Osama bin Laden sem julgamento foi um ato de violência porque terroristas são pessoas boazinhas que querem negociar a paz em meio a criancinhas;
3) Ter ciúmes é coisa de gente mal resolvida;
4) Se algum dia um gay lhe cantar e você se sentir mal com isso, você precisa rever seus conceitos porque gente inteligente nunca tem mal-estar com coisas assim;
5) Se seu filho for mal na escola, minta. Se alguém descobrir, ponha a culpa na professora, que é mal preparada pra lidar com crianças como seus filhos, que se preocupam com as baleias já aos 11 anos e discutem a África no Twitter;
6) Caso leve seus filhos à Disney, não conte a ninguém, pelo amor de Deus!;
7) Acima de tudo, abomine os Estados Unidos, ache Obama ótimo e vá à Nova York porque Nova York “não são os Estados Unidos”;
8) Não seja muito simpático com ninguém porque gente simpática é gente carente e gente assim procura “eye contact” em festas. Um conselho: olhe sempre para um ponto no horizonte. Assim, se alguém falar com você, ela é que é carente;
9) Ache uma situação para dizer que você conhece uma cidadezinha no sul da Itália e lá ficou hospedado na casa de uma amiga brasileira casada com um italiano que defende o direito dos imigrantes africanos e odeia Silvio Berlusconi;
10) O ideal seria se você tivesse passaporte italiano também;
11) Se alguém falar pra você que não dá para pagar direitos sociais e médicos para imigrantes ilegais na Europa, considere essa pessoa um “reacionário de direita”, mesmo que você não aceite sustentar alguém que não seja você mesmo e sua família (no caso da família nem sempre, claro);
12) No conflito israelo-palestino, não tenha dúvida, seja contra Israel, mesmo que morra de medo de ir lá e não tenha lido uma linha sequer sobre a história do conflito;
13) Se você se sentir mal com a legalização do aborto, minta;
14) Deixe transparecer que só os outros transam pouco;
15) Seja ateu, mas blasé.)

Autor do Texto em Itálico: Luiz Felipe Pondé, filósofo, psicanalista e Professor da PUC

 

Imagem do Pondé: Espalha Brasa
Imagem do Seu Madruga: O Chaves mandou pelo Barril